Diana Roman Deusa da Caçada - Mitologia, Simbolismo e Fatos

2024 | Simbolismo

Descubra O Seu Número De Anjo

Bebidas

A mitologia romana representa uma combinação ou mistura da mitologia grega e etrusca. Os romanos certamente desenvolveram sua mitologia com base nos ensinamentos de outras culturas e civilizações. Quando lemos histórias da mitologia romana, a maioria delas se assemelha a histórias da mitologia grega e a única diferença são os nomes. Os principais deuses romanos foram Júpiter, Netuno e Plutão. Os planetas do universo foram nomeados em homenagem a esses deuses romanos, o que é apenas uma prova sobre o significado da mitologia romana para o mundo.





As histórias mitológicas romanas são principalmente uma combinação de histórias que nos ensinam sobre a vida e as mensagens morais que precisamos aprender. Essas histórias nos ensinam como ser gentis uns com os outros, mas também como perseverar no mundo.

Além de ter poucas divindades superiores, existem também outras divindades às quais os romanos deram grande importância. No passado, as pessoas relatavam acontecimentos da natureza e tudo o que não podiam explicar aos deuses. Trovões, chuva, seca, tudo estava relacionado aos deuses e à sua vontade.





Para agradar aos deuses, as pessoas costumavam realizar festivais e eventos em honra aos deuses. Esses festivais são realizados até hoje e alguns deles se tornaram marcas registradas de certas cidades. A mitologia romana é rica e ainda hoje relevante e muitas obras de arte e literatura foram baseadas neste rico período cultural. No texto de hoje, estaremos falando sobre a deusa romana Diana, que era a deusa da caça e da lua.

Mitologia e Simbolismo

Para os romanos, a deusa Diana era a deusa da caça e da lua. Nessa mitologia antiga, Diana era freqüentemente relacionada à natureza, aos animais e à floresta. Seus poderes estavam falando com os animais, tendo controle sobre a floresta e todos os animais nela. O nome Diana vem da palavra divina ou celestial. Para comparar a mitologia romana e grega, o equivalente de Diana na Grécia é a deusa Artemis. Quando lemos histórias sobre essa deusa romana em particular, elas são muito semelhantes às histórias sobre a deusa Ártemis. Ambos tinham a capacidade de falar com os animais e controlá-los caso as pessoas se comportassem mal.



A deusa Diana foi incluída nos chamados deuses da moldura. Esses deuses mantiveram fortes características originais das divindades celestes e não foram de forma alguma associados aos deuses nas religiões indo-europeias. A deusa Diana foi associada à luz, à virgindade e sempre esteve presente nas matas e entre as montanhas. Sua presença poderia ser sentida especialmente na floresta, e seu título original era a deusa da caça. Diana refletia o mundo celestial, o que significa que ela estava relacionada à supremacia, impassibilidade e indiferença para com os assuntos do mundo. Mesmo que a deusa Diana ficasse longe dos assuntos humanos, ela garantiu a continuação da raça humana protegendo o parto e os jovens. Sua obrigação era ficar de olho na sucessão de reis.

A adoração inicial de Diana estava ligada à floresta e ela era respeitada como a deusa da caça. Mais tarde, Diana substituiu a deusa Luna e se tornou a deusa da lua. Diana também era a deusa do parto e protegia o campo e a natureza em geral. Em alguns casos, a deusa Diana também foi chamada de Trivia, Luna, Lucina e Latonia. Todos esses nomes foram usados ​​como pseudônimos para a deusa Diana e muitas vezes podem ser encontrados em muitas das primeiras obras da literatura.



A deusa Diana protegia os cidadãos de classe baixa, portanto seus fiéis seguidores eram os escravos e as pessoas que pertenciam à classe baixa de cidadãos em geral. O templo de Diana era presidido por um sumo sacerdote que já foi escravo. O sacerdote presidente foi escolhido com base em uma antiga tradição. O escravo seria nomeado sumo sacerdote apenas se conseguisse pegar um galho da árvore sagrada dos carvalhos e depois lutar contra o atual sacerdote até a morte. Isso apenas fala sobre a importância da deusa Diana para os cidadãos de classe baixa e o quanto eles confiavam em sua proteção. Nos tempos antigos, não havia muitas divindades de tal estatura cuja proteção fosse direcionada a essas camadas de pessoas, o que é apenas mais uma razão que elevou a deusa Diana a tais alturas.

O culto a Diana em Roma é quase tão antigo quanto a própria cidade, porque há menções ao culto nas primeiras obras encontradas sobre a cidade romana. De acordo com mitos antigos, a deusa romana Diana vivia junto com a ninfa Egeria e seu servo Virbuis. Os três moravam na floresta de Nemi, perto de uma cidade chamada Aricia, no sul de Roma. As três mulheres viviam em um bosque feito de carvalho.

De acordo com os escritos e descobertas da famosa arqueóloga Françoise Helene Pairault, as deusas Diana da Adventina e Diana Nemorensis eram divindades baseadas no culto dedicado à deusa Ártemis. Este culto se espalhou da Grécia antiga à Roma antiga e foi espalhado com a ajuda de etruscos e latinos no século 6ºe 5ºséculo AC.

É seguro afirmar que a deusa romana Diana teve um papel importante na mitologia romana e seu significado cresceu com o passar do tempo. Da deusa da caça, essa divindade cresceu para se tornar uma deusa tríplice e sua importância para o homem comum foi uma das razões pelas quais ela se tornou uma figura espiritual tão importante na Roma antiga.

Significado e fatos

A deusa Diana influenciou muito a arte e a literatura da Roma Antiga. Deusa da caça Diana foi frequentemente representada como uma jovem mulher, entre 12 e 19 anos de idade. Sua pele era clara como a de Afrodite e seu corpo era magro, com quadris pequenos e uma testa alta.

Estas são as representações mais comuns desta deusa romana, muitas vezes vistas como esculturas, pinturas e descrições em documentos escritos antigos.

Diana também foi retratada vestindo uma túnica curta, pois era necessário que ela usasse algo confortável se fosse caçar na floresta.

Arco e flecha também são detalhes comuns na representação da deusa Diana, acompanhada de um cervo ou urso a seu lado. Em algumas representações, um animal que foi caçado também foi representado na imagem ou descrição. Quando Diana foi representada como a deusa da lua, sua aparência era completamente diferente. Ela foi pintada com um longo manto e às vezes até com um véu sobre a cabeça que lhe dava uma presença mais espiritual. A deusa romana Diana costumava ser retratada com uma coroa de lua na cabeça, tanto como uma deusa da lua quanto como a deusa da caça.

O festival que foi realizado em nome de Diana acontecia todo 13 de agostoº. A adoração da deusa romana Diana também é mencionada na Bíblia. De acordo com uma velha história da Bíblia, os ferreiros efésios que estavam com medo da pregação sobre o Cristianismo pelos apóstolos gritavam Grande é a Diana de Efésios. Essa história retrata o momento em que o cristianismo começou a ameaçar a mitologia e a religião romanas e a maneira como as pessoas se sentiram com essa mudança.

A deusa Diana também era bem conhecida nas antigas tribos latinas. Muitos santuários e templos foram construídos em sua homenagem nas terras habitadas pelos latinos. Um dos primeiros santuários conhecidos foi perto de Alba Longa, pouco antes da cidade ser destruída pelo exército romano.

Uma escultura em madeira perto do lago de Nemi era uma estrutura construída em latim e a prova de sua existência foi atestada pela epígrafe Cato. No Monte Aventino, em Roma, há um santuário dedicado a Diana.

A deusa Diana era principalmente a deusa pagã e não completamente uma deusa romana. A razão pela qual ela foi separada nesta categoria está em sua formação ou origem. O culto a Diana está relacionado ao culto da Europa Moderna a Nicevann, também conhecido como Dame Habond ou Herodiana. A deusa Diana também está relacionada aos mitos da caça selvagem feminina.

Hoje, existe um ramo da Wicca que leva o nome da deusa Diana. Eles são caracterizados por um foco exclusivo nos aspectos femininos no Divino. Em um canto da Wicca, o nome de Diana é usado como o terceiro nome divino. Na Itália, existe uma religião de Stregheria que abraçou a deusa Diana como sua Rainha das Bruxas. O termo bruxas não tem o mesmo significado que na cultura popular. As bruxas, para os seguidores de Stregheria, representam mulheres sábias e curandeiras da época.

De acordo com seus ensinamentos, a deusa Diana dividiu dentro dela a luz e as trevas e guardou para si as trevas e criou seu irmão Apolo como a luz. A deusa Diana governou junto com seu irmão Apolo, que era o deus do sol.

No período da Renascença, a mitologia romana e grega se tornou a principal inspiração para artistas de toda a Europa. Não é de admirar que a maioria das obras de arte devotadas às mitologias romana e grega tenham sido criadas neste período. Os mitos de Diana costumavam ser representados de forma dramática e visual. L'arbore di Diana é uma ópera famosa que foi criada no século 16ºséculo e em Versalhes, Diana foi incorporada à iconografia olímpica junto com Luís XIV, que era o Rei do Sol semelhante a Apolo. muitos pintores famosos como Peter Paul Rubens, Ticiano, Boucher e Poussin pintaram Diana e dedicaram seu talento a recriar sua imagem. A maioria dessas representações foram as de Diana e Actaeon (e Calisto), onde eles foram retratados como descansando depois de uma caça exaustiva.

A deusa Diana foi uma fonte infinita de inspiração para escritores, e a prova disso são muitas histórias e poemas que foram escritos e dedicados à deusa romana Diana. O Festival de Diana ainda é realizado por alguns pagãos em 13 de agostoº.

Durante a festa, quem festeja pede uma boa colheita e proteção das tempestades que costumam ocorrer no outono. Em homenagem à deusa, as pessoas trazem assados ​​e frutas, e alguns até fazem pedidos e os escrevem em fitas que depois são colocadas em volta das árvores.

Conclusão

As histórias mitológicas romanas são principalmente uma combinação de histórias que nos ensinam sobre a vida e as mensagens morais que precisamos aprender. Essas histórias nos ensinam como ser gentis uns com os outros, mas também como perseverar no mundo. Para os romanos, a deusa Diana era a deusa da caça e da lua.

Nessa mitologia antiga, Diana era freqüentemente relacionada à natureza, aos animais e à floresta. Seus poderes estavam falando com os animais, tendo controle sobre a floresta e todos os animais nela.

O nome Diana vem da palavra divina ou celestial. Para comparar a mitologia romana e grega, o equivalente de Diana na Grécia é a deusa Artemis.

A deusa Diana protegia os cidadãos de classe baixa, portanto seus fiéis seguidores eram os escravos e as pessoas que pertenciam à classe baixa de cidadãos em geral. O templo de Diana era presidido por um sumo sacerdote que já foi escravo. A deusa Diana era a deusa tripla. Ela era a deusa da lua, da caça e do parto.

Sua proteção não era concedida apenas às classes altas, uma vez que seu foco principal de proteção eram as classes mais baixas.

A deusa Diana originou-se de crenças e religiões pagãs, mas seu significado cresceu com o tempo e se tornou uma figura proeminente na mitologia romana.

Para agradar aos deuses, as pessoas costumavam realizar festivais e eventos em honra aos deuses. Esses festivais são realizados até hoje e alguns deles se tornaram marcas registradas de certas cidades. O festival em homenagem à deusa Diana ainda é realizado hoje por algumas culturas pagãs, e seu culto a Diana ainda está vivo em muitas partes do mundo. O significado de Roam mitogly para o mundo é definitivamente grande. Muitas relíquias culturais falam sobre a grandeza daquela época, mas também sobre a crueldade dela.

A deusa Diana permanecerá para sempre a deusa, patrona da caça, da lua e do parto, mas também como a protetora dos cidadãos de classe baixa. O significado da deusa Diana para as tribos latinas e posteriores aos romanos é algo que será mantido por meio da arte e da literatura, mas também por meio de mitos e histórias que continuam vivos.