Deusa Juno Romana do Casamento - Mitologia, Simbolismo e Fatos

2022 | Simbolismo

Mesmo que a mitologia romana representasse uma combinação da mitologia grega e etrusca, ela ainda tinha algumas características únicas que separam essa mitologia das que foram usadas como sua base.

A mitologia romana nos trouxe algumas das histórias e mitos mais interessantes sobre deuses e deusas antigos. Seu significado simbólico ainda é valioso até hoje e são frequentemente usados ​​como referência na arte e na literatura.



A divindade mais elevada da Roma antiga era Júpiter, e todas as outras divindades eram de importância inferior à dele. Mesmo sendo a divindade suprema, outros deuses e deusas eram igualmente e às vezes até mais adorados do que ele. A mitologia antiga foi baseada em histórias criadas pela imaginação humana. Tudo que os humanos não podiam explicar com razão, eles criaram histórias que mais tarde se tornaram mitos e lendas.



Cada evento natural que não podia ser explicado tornou-se obra de deuses e deusas que governavam Roma naquela época. A intervenção divina era a maneira mais fácil de explicar tudo o que acontecia naquela época e, assim como hoje, as pessoas acreditavam nos deuses e os respeitavam.

No texto de hoje estaremos falando mais sobre a deusa romana Juno, que era a deusa da família, do parto e conselheira do Estado. Então, se você sempre quis saber mais sobre essa divindade romana, aqui está a oportunidade perfeita para fazer exatamente isso.



Mitologia e Simbolismo

A Deusa Juno era uma das divindades femininas romanas mais apreciadas. Sua importância para o povo romano era grande e as pessoas a consideravam a divindade mais elevada depois de Júpiter, seu marido. Juno era a deusa romana da família, protetora do estado e rainha dos deuses na mitologia romana. Sua mitologia é muito complexa e complicada, razão pela qual ela é uma das divindades de maior valor em Roma.

Juno tinha muitos epítetos importantes e muitos títulos diferentes. Ela foi primeiro a deusa do casamento, mas também a deusa da força vital, energia vital e juventude eterna. Ela era a protetora divina do estado e era o símbolo da fertilidade e soberana sobre o povo. O epíteto Lucina era especialmente importante porque representava aspectos inter-relacionados da função de Juno.

De acordo com a mitologia romana, o mês de fevereiro é o mês de limpeza e purificação. No dia 15 de fevereiroºum festival em homenagem a Juno é realizado e é chamado de Juno Sospita. Este festival celebrava a purificação e a fertilidade.



Juno era a deusa que multiplicava as pessoas e era a protetora dos cidadãos romanos. Ela também protegeu o exército romano e todos os seus soldados. Como Juno Moneta, ela foi celebrada na Arx Capitolina) como a deusa que avisa sobre desastres e perigos. Como Juno Curis, ela foi pintada com um escudo e uma espora, e o lugar onde esta estátua ficaria era o lugar onde os romanos carregariam seus presentes para a deusa e outros sacrifícios.

Juno era casado com Júpiter, que era a mais alta divindade romana. Seu casamento representou o ideal pelo qual os cidadãos de Roma se empenharam. Como esposa da divindade suprema, ela era vista como uma rainha e protetora do povo junto com Júpiter. As pessoas a respeitavam, mas também temiam por sua natureza, porque em algumas representações ela era o símbolo de força e às vezes até de crueldade.

Os romanos acreditavam que Juno era a deusa do parto, por isso eles celebrariam Juno após o nascimento de seu filho. Eles organizariam um grande banquete em sua homenagem e celebrariam a deusa para que ela protegesse seu filho.

Juno estava associado a quase todos os aspectos da vida da mulher e o aspecto mais importante era o casamento. Ela protegeu todas as mulheres, mas seu foco estava nas mulheres casadas e nas mulheres grávidas.

Juno era filha de Saturno, mas ela acabou se casando com seu irmão gêmeo Júpiter, que era o deus do céu e do trovão. Ela era conhecida como a rainha de todos os deuses e junto com Júpiter e Minerva, ela foi uma das três divindades originais de Roma. Juno foi assistida por 16 ninfas e sempre foi retratada com Iris, sua ninfa mais amada.

Juno teve dois filhos, Marte e Vulcano. De acordo com um antigo mito, o filho de Juno, Marte, que era o deus da guerra, não foi concebido por Júpiter. O mito conta a história de Flora, deusa da primavera, dando a Juno uma flor que a engravidou de Marte.

Outro mito conta a história de Juno e Júpiter jogando seu filho Vulcano em um vulcão porque ele era muito feio. Mais tarde, eles sentiram pena e o devolveram à terra.

Juno era ferozmente leal ao marido e também ciumenta e vingativa. Quando Júpiter deu à luz Minerva de sua cabeça, Juno ficou com muito ciúme. Esta é uma das razões pelas quais Juno decidiu dar à luz a Marte por conta própria e não por Júpiter.

Junto com todas as suas outras responsabilidades, Juno fazia parte principalmente da tríade que vivia no Monte Capitolino. Ela morava com Júpiter e Minerva, e seu título principal era a deusa do parto e do casamento. Ela era adorada por suas muitas ninfas e protegia todas as mulheres, especialmente as casadas e as que estavam grávidas.

Significado e fatos

Juno era filha de Saturno e, de acordo com os antigos mitos, era casada com seu irmão Júpiter. Existem muitas representações artísticas de Juno e seu irmão, que indicaram que a conexão entre eles não era apenas romântica. Juno era a deusa romana da família, casamento, parto e ela era a protetora geral do povo romano.

Juno costumava ser retratada em uma pose de guerreiro com armadura e como uma mulher forte em geral. Ela era casada com Júpiter, o que a tornava a rainha de todo o povo romano. Juno também foi retratado com grandes olhos castanhos, rosto bonito e corpo de uma jovem donzela.

Ela também foi retratada usando um escudo ou uma espora, e os romanos a temiam e a respeitavam. Juno tinha muitos epítetos, mas os mais importantes estavam relacionados ao casamento e ao parto.

As pessoas costumavam realizar cerimônias e festivais em sua homenagem, para chamar sua atenção e graça. Sua imagem combinava beleza e força, e sua representação é um pouco diferente da representação de Hera na mitologia grega, embora tenham características muito semelhantes.

O festival que foi realizado em homenagem a Juno se chamava Matronalia. A festa foi celebrada em março e era o dia em que se esperava que os maridos dessem presentes às suas esposas. Esta tradição lembra o Dia Internacional da Mulher que temos hoje, o que é uma prova de que a posição de uma mulher era importante nos tempos antigos. Algumas fontes mencionam que este festival foi realizado em homenagem ao filho de Juno, Marte, porque foi realizado em seu aniversário.

A terceira fonte acredita que o festival representou o fim da Guerra Romano-Sabina, onde as mulheres desempenharam um papel importante e as mulheres foram responsáveis ​​por restaurar a paz.

A contraparte grega de Juno era Hera, que era a esposa de Zeus. Juno muitas vezes apareceu como um símbolo na arte e literatura romanas, mas sua aparência nunca é menos importante na cultura popular. na Eneida de Vigil, Juno foi retratada como uma deusa cruel.

Shakespeare também menciona Juno como um personagem mascarado em sua obra chamada The Tempest. O mês de junho recebeu o nome de Juno. Juno também representava o oposto de gênio, que era usado para representar o gênero masculino.

Na cidade holandesa de Maastricht, existem estátuas de Juno e Júpiter com 2.000 anos. A história por trás desses restos mortais é que Juno foi enviada para Samos após seu nascimento. Ela ficou lá até atingir a puberdade e então se casou com seu irmão Júpiter.

A estátua representa Juno como uma noiva e esta estátua pertence a uma das estátuas mais antigas e exemplos da arte humana. A estátua foi realizada pela primeira vez em Roma, no Monte Capitolino, mas foi transferida para a Holanda no ano 4ºséculo.

A importância de Juno para os romanos era extremamente grande e sua presença na mitologia romana é uma das mais influentes. Embora existam várias fontes e histórias sobre sua aparência e comportamento, Juno ainda é considerada uma deusa misericordiosa que protegeu os cidadãos romanos e recém-nascidos. As pessoas acreditaram nela e devotaram suas orações a Juno, e seu culto pertence a um dos mais antigos.

A antiga tradição romana respeitava as mulheres, o que pode ser claramente visto pela posição que as mulheres ocupavam na mitologia romana. Ao contrário de muitas religiões hoje, os romanos deram às mulheres uma forte posição religiosa e sua presença na mitologia romana foi significativa. Juno fazia parte da tríade que vivia no Monte Capitolino e também uma das principais divindades de Roma.

Conclusão

Cada evento natural que não podia ser explicado tornou-se obra de deuses e deusas que governavam Roma naquela época. A intervenção divina era a maneira mais fácil de explicar tudo o que acontecia naquela época e, assim como hoje, as pessoas acreditavam nos deuses e os respeitavam. Juno era casado com Júpiter, que era a mais alta divindade romana. Seu casamento representou o ideal pelo qual os cidadãos de Roma se empenharam. Como esposa da divindade suprema, ela era vista como uma rainha e protetora do povo junto com Júpiter.

Juno era ferozmente leal ao marido e também ciumenta e vingativa. Quando Júpiter deu à luz Minerva de sua cabeça, Juno ficou com muito ciúme. Esta é uma das razões pelas quais Juno decidiu dar à luz a Marte por conta própria e não por Júpiter. Juno era a deusa que multiplicava as pessoas e era a protetora dos cidadãos romanos. Ela também protegeu o exército romano e todos os seus soldados. Como Juno Moneta, ela foi celebrada na Arx Capitolina) como a deusa que avisa sobre desastres e perigos.

Juno pode ter sido descrita de muitas maneiras diferentes, mas sua importância para a mitologia romana é significativa. Ela também influenciou uma abordagem completamente diferente das mulheres e seus direitos. Mesmo nos tempos em que as pessoas não estavam em alta escala de desenvolvimento, deusas como Juno desempenharam um papel importante na emancipação das mulheres. Juno era a deusa protetora de todas as mulheres, principalmente das grávidas e casadas. Ela era exclusivamente devotada às mulheres, enquanto os romanos do sexo masculino tinham Júpiter e outras divindades para se apoiar.

A influência de Juno na mitologia romana e na cultura de hoje é certamente grande, embora suas raízes derivem da mitologia grega. Seus muitos epítetos são uma ótima metáfora para a capacidade da mulher de realizar muitas coisas e manter a nação inteira em um só lugar. Juno foi um símbolo único de uma mulher forte e poderosa, que superou obstáculos e se colocou no topo da mitologia romana.